Terça-feira, 11 de Março de 2008

Porque a assinatura "CorteVale"?

Por tantas razões… enumerá-las seria quase impossível.

CorteVale é um vulcão de imagens, de emoções, mas também a quietude de um lugar com sentido…

CorteVale!


Lembra-me o Fiel, cão majestoso e seguro, que me deixou montá-lo quando tinha 4 anos.

Conduz-me à presa da Buraca, onde tantas vezes me refresquei, depois de longas horas de futebol na Portela,


Recorda-me o barro azul que apanhei na barreira junto ao ribeiro, com que moldava bonecos e figuras que levava para a escola da Ponte…

Ainda hoje saboreio diospiros que me lembram a frescura e a doçura da CorteVale.

Foi à Cortevale que o meu avô me mostrou uma camisa de cobra, que pus à volta do pescoço, julgando ser um cachecol largado por um avião que passava lá no alto!


Á CorteVale aprendi a raspar, a “escombarar”, a cavar… a dosear o esforço e a rilhar os dentes para aguentar as borregas nas mãos.

À Cortevale aprendi a guardar cabras, a sentir a sua afeição e a alegria das marradas dos cabritos,

Também à CorteVale aperfeiçoei a arte de fazer cola a partir dos botões de seiva das macieiras e das pereiras,

Fiz caravelas com conocos e camisas de maçarocas de milho… experimentei fumar barbas de milho… brinquei às carduçadas com os amigos da Costa… 

 

Assombrava-me quando tinha que ir à mina, assustava-me o esvoaçar do pássaro que fugia do fresco da penumbra da mina…


A porta do curral era um hino à reutilização dos materiais… uma palmilha de um sapato de borracha virou a dobradiça da porta!

E o Fiel conduzia as cabras para o curral e sentava-se à porta, barrando-lhes a saída!

 

À CorteVale saboreei couves e feijões comidos com um garfo de azinheira, feito pela minha avó!


À CorteVale poisava, estafado, os molhos de mato e de lenha que trazia do Vale dos Coelhos…

 

Hoje é um espaço aparentemente abandonado… A CorteVale… sempre que estou em São Jorge tento ir até lá… pela paz e serenidade interior que experimento, mas também pela energia que é libertada por tantos braços que trabalharam nesta breve planura…

 

A CorteVale faz-me evocar ainda milhares de outras imagens e emoções… pessoas, vozes, olhares, entreajuda… sensações de confiança, também de angústia, de medo…e de esperança…

 

A CorteVale é um lugar sagrado para mim… dá sentido a todo o meu ser!

 

cortevale@sapo.pt

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por CorteVale às 02:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Junho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

ONDE TRABALHAMOS HOJE? ...

AS MÃES DE SÃO JORGE

O Encontro… tantos anos d...

DE LUANDA... COM SAUDADE....

É HORA DE PARTIR...

A CASA VELHA DE S. JORGE

La Union ou... A união fa...

O Menino que tinha vergon...

O Caminho da Capela

Ilustres São-jorgenses

Histórias de São-jorgense...

São Jorge Antigo IX - A L...

Quem acode a São Jorge?

São Jorge Antigo VIII

"O Fantasma de José Júnio...

Porque a assinatura "Cort...

São Jorge Antigo VII

São Jorge Antigo VI

São Jorge Antigo V

São Jorge Antigo IV

São Jorge Antigo III

São Jorge Antigo II

São Jorge Antigo I

Ainda sobre São Jorge...

Ainda mais difícil!...

Quem quer jogar às adivin...

Nostalgia de São Jorge?

O que são Comunidades de ...

Trabalhar em Equipa ou o ...

Qual o lugar das COP na f...

arquivos

Junho 2015

Janeiro 2011

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Junho 2008

Março 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds