Sexta-feira, 20 de Outubro de 2006

Declaração de um Jornalista

Declaração de um jornalista.

  «Não tenho filhos e tremo só de pensar. Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades. Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam vidas descansadas. Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê. Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não. A criança nasce não numa família mas numa pista de atletismo com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis. E um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição. Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida - mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito. É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho, as quecas de sonho. Não admira que, até 2020, um terço da população mundial estará a mamar forte no Prozac. É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos, mais queremos. Quanto mais queremos, mais desesperamos. A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade. O que não deixa de ser uma lástima. Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência. Mas a felicidade.»

João Pereira Coutinho, jornalista
Março 2004

publicado por covita às 15:54
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De inóca a 30 de Janeiro de 2007 às 12:46
- concordo e subscrevo.
- eu também não tenho filhos e também naõ tenho vontadinha nenhuma de me meter em embrulhadas, já não basto eu no meio destas rodas dentadas quanto mais uma criança.

Comentar post

Encosta-te a mim!

mais sobre mim

pesquisar

 

Junho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

ONDE TRABALHAMOS HOJE? ...

AS MÃES DE SÃO JORGE

O Encontro… tantos anos d...

DE LUANDA... COM SAUDADE....

É HORA DE PARTIR...

A CASA VELHA DE S. JORGE

La Union ou... A união fa...

O Menino que tinha vergon...

O Caminho da Capela

Ilustres São-jorgenses

Histórias de São-jorgense...

São Jorge Antigo IX - A L...

Quem acode a São Jorge?

São Jorge Antigo VIII

"O Fantasma de José Júnio...

Porque a assinatura "Cort...

São Jorge Antigo VII

São Jorge Antigo VI

São Jorge Antigo V

São Jorge Antigo IV

São Jorge Antigo III

São Jorge Antigo II

São Jorge Antigo I

Ainda sobre São Jorge...

Ainda mais difícil!...

Quem quer jogar às adivin...

Nostalgia de São Jorge?

O que são Comunidades de ...

Trabalhar em Equipa ou o ...

Qual o lugar das COP na f...

arquivos

Junho 2015

Janeiro 2011

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Junho 2008

Março 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

tags

todas as tags

Where are You?

Subscrever Caminho das Pedras

Assinar com Bloglines

Radar "Caminho das Pedras"

Copyrights & Créditos

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Quem nos vê? Onde está?

blogs SAPO

subscrever feeds